segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

O Despertar das Borboletas Parte 7 - Final


Autora: Luciana

Fanfic: The Mentalist

Categoria: Romance

Censura: 17 anos

Quero agradecer a colaboração nesta Fic das queridas Teresa Janes (com os nomes dos personagens Peter Montero e Mary Sullivan) e ~Biia.Oliveira (com o nome da personagem Elizabeth Parker).

Agora, o final de O Despertar das Borboletas!!

                       
 

O dia estava ensolarado em Sacramento, e Teresa Lisbon se preparava pra voltar ao trabalho no CBI, depois de 5 dias afastada. Mesmo podendo ficar mais dois dias em casa, ela resolveu retornar ao trabalho, já que se sentia melhor. E as dores no corpo haviam diminuído.

Nesses cinco dias havia recebido apenas alguns telefonemas de Patrick Jane, perguntando se estava bem. E as visitas de Van Pelt, Cho e Rigsby. Ela até achava melhor mesmo Jane não ter ido em seu apartamento, pois queria um pouco de paz naqueles dias.

Lisbon tocou carinhosamente a barriga, e pensou no bebê que estava em seu ventre. Seria mãe de um filho ou filha de Patrick Jane, fato que parecia ser complicado. Imagina, o que diriam no CBI se soubessem disso!Lisbon continuava confusa se falaria ou não para Jane sobre o bebê.

Um bebê mudaria a sua vida de agente do CBI. E Lisbon se questionava em como pode deixar isso acontecer. Ela se culpava por não ter pensado nas consequências. Pelas suas contas, engravidou na primeira vez em que esteve com Patrick Jane. Na primeira noite em que fizeram amor no sofá de seu apartamento, e as lembranças daquela noite deixaram Lisbon vermelha.

Como Jane iria reagir com a notícia do bebê? Lisbon se perguntava, enquanto dirigia para o CBI, naquela manhã. E ela decidiu que não estava preparada pra revelar isso. Não mesmo!


 


 

Quando Lisbon chegou ao CBI, encontrou Van Pelt, Cho e Rigsby conversando. Surpresos, pois esperavam que ela voltasse ao trabalho só daqui a dois dias, eles cumprimentaram a chefe.

-Como está? –perguntou Van Pelt.

-Melhor. Muito Obrigada!

-Pensavamos que ficaria mais dois dias em casa. –comentou Cho.

-Não! Resolvi voltar logo ao trabalho! Estava entediada em ficar em casa. –confessou Lisbon.

-Seja bem-vinda, chefe! –disse Rigsby.

-E alguma notícia sobre o caso do Peter? Já descobriram alguma coisa? –perguntou.

-Nada! Parece que Red John não deixou nenhuma pista. –contou Cho.

-Eu ainda não me conformo! Peter me enganou direitinho! –disse Lisbon.

-O que eu não entendi ainda, é por que ele queria você morta? –falou Van Pelt.

-Eu não sei a resposta pra sua pergunta. –disse Lisbon.

E ao terminar a conversa, todos voltaram ao que estavam fazendo. Lisbon foi para a sua sala, e sentou-se na cadeira. E ela sentiu falta de tudo aquilo naqueles cinco dias longe do CBI, até dos casos complicados que investigavam.

Não havia visto Jane no sofá, e estava curiosa em saber onde ele estava naquele momento.

Como se lesse o seus pensamentos, a porta de sua sala foi aberta por Patrick Jane, que surgiu com um belo sorriso e disse:

-Bom dia, Lisbon! Pensando em mim?

-Pare de ser convencido! Nem bem voltei ao trabalho e você aparece com suas brincadeirinhas.

-Está chateada comigo ainda? Fique sabendo que senti a sua falta aqui. –contou Jane.

-Você já me falou isso duas vezes pelo celular nos últimos três dias. –disse séria.

-Eu te liguei, mas você não queria conversar comigo! –disse Jane de pé olhando pra Lisbon.

-Jane, eu queria paz! Eu sofri um acidente sério, precisava de um pouco de sossego. –falou Lisbon não querendo olhar pra ele.

-E você não tem nada pra me contar? –perguntou Jane.

-Não. –respondeu Lisbon.

-Sinto muito, pelo Peter Montero! Estou surpreso com Red John! Não imaginava que Peter fosse informante dele. Até desconfiei de Peter, mas não liguei ao Red John. –disse Patrick Jane.

-Desculpe Jane, mas não quero falar sobre Peter! Eu quero esquecer o que aconteceu. –falou Teresa Lisbon olhando pra Jane.

-Eu entendo. –Jane disse olhando com carinho pra ela.


 


 

O dia passou rápido, e a noite já tinha chegado a Sacramento. Lisbon entrou em sua sala e olhou com surpresa, um ursinho azul em cima de sua mesa. Ela pegou o ursinho, e leu um bilhete que dizia: "Lisbon, preciso falar com você no sótão. Patrick Jane!"


Lisbon pensou em não ir encontrar Jane, mas acabou indo e levou o ursinho.

Ele estava de pé perto da janela, observando a noite estrelada na cidade, quando Lisbon chegou devagar.

-Eu posso saber o que significa isso? –perguntou ela mostrando o ursinho pra Jane e o bilhete.

-É um presente de comprei hoje! –disse Jane sorrindo lindamente.

-Presente? E desde quando eu gosto de ursinho de pelúcia? –disse Lisbon.

-O presente não é pra você. É para o nosso bebê!

Lisbon ficou chocada, em silêncio por alguns segundos e disse:

-Eu não sei do que você está falando!

-Sabe sim! Eu sei que você está grávida de algumas semanas. E não adianta dizer que o bebê é de outro, porque sei que é mentira. –falou Jane se aproximando dela.

-Escute aqui, Jane! Eu não vou ficar aqui ...

-Não! Teresa! Quando você sofreu aquele acidente, eu fiquei com muito medo de perdê-la. Sabe por quê? Porque eu descobri que me apaixonei por você aos poucos. Nem eu havia percebido que já te amava. Só pude compreender isso, depois que tivemos aquela noite em seu apartamento e fui passar aqueles dias em Santa Cruz. Descobri que você é a única mulher que desejo ao meu lado, como amiga, confidente, amante e amor. Sim, Lisbon! Eu descobri que adoro ouvir essa voz rouca. Que amo o seu jeito de me olhar, desconfiado e sensual. Lisbon, ainda sinto o cheiro de sua pele no meu corpo, mesmo fazendo semanas que não toco em você. –disse Jane.

-Jane! –disse com lágrimas nos olhos.

-Sei que senti medo! Porque eu tenho também tenho medo, do que está acontecendo comigo! Não está sendo fácil! Mas quando ouvi da médica no hospital, que você está esperando um bebê. Confesso, que senti como se a vida tivesse me dando uma segunda chance. Uma nova chance, Lisbon! –disse Patrick Jane.

-Essa gravidez não foi planejada! –comentou Lisbon chorando.

-E o que estamos sentindo um pelo outro foi planejado? Oh Teresa! – disse Jane muito perto dela.

-Não faz isso comigo! –falou Lisbon sendo abraçada por Jane.

-Vamos ter um bebê! –disse Jane sorrindo.

-Sim! –Lisbon disse olhando agora nos olhos dele.

-E quando fizemos o bebê? Naquela primeira vez ou no hotel em San Raphael?

-No sofá do meu apartamento. –respondeu Lisbon sorrindo entre lágrimas.

-Uau!

-E ainda não agradeci o ursinho! –disse Lisbon.

-É o primeiro presente de nosso bebê, Teresa! –contou Patrick Jane.

E os dois se beijaram com ternura e paixão, deixando pra trás o medo que impedia aquele relacionamento.

-Lisbon, eu quero te levar em um lugar especial.

-Onde?

-É um pouco longe! Acho que esses dois próximos dias, você vai continuar de licença do CBI. –disse sorrindo.

-Jane! O que está aprontando? –questionou Lisbon.

-Nada demais! –falou Patrick Jane beijando os lábios dela com carinho.


 


 

O dia estava lindo em Santa Cruz. Patrick Jane e Teresa Lisbon caminhavam pela praia descalços. A brisa do mar deixava o clima suave e perfeito. Os dois sentaram-se na areia e observaram o mar. Uma borboleta azul apareceu voando levemente perto deles. E Jane apenas sorriu.

-Então, foi você que fez a minha vizinha Elizabeth Parker, colocar a música alta naquela noite!Não me surpreende, Patrick Jane! –disse Lisbon olhando nos olhos dele.

-Não poderia deixar você dormir com Peter. –falou Jane acariciando o cabelo dela.

-Não me diga que estava com ciúmes? –perguntou olhando daquele jeito pra ele.

-Digamos que sim! E confesso que naquela noite em San Raphael, fui o responsável por Peter sair da cidade achando que tinha um caso pra investigar. –confessou rindo.

-Não me diga, que ...

-Sim! –respondeu dando risada.

-Patrick Jane! Eu acho que agora tenho que agradecer! Sem saber me salvou de cair nas garras de um informante de Red John! –disse Lisbon.

-E como vai me agradecer? –perguntou malicioso.

-Só conto quanto voltarmos para o hotel –respondeu sorrindo.

-E eu ainda não sei como vou contar sobre a minha gravidez no CBI. –comentou Lisbon.

-Teresa, estaremos juntos quando isso acontecer! –disse Jane a beijando carinhosamente.

-E eu ainda não falei uma coisa pra você!

-O quê? –perguntou Patrick Jane.

-Eu te amo! –sussurrou Lisbon com a voz rouca no ouvido dele.

-Eu também! –disse ele sorrindo e olhando nos olhos dela.


 

Patrick Jane resolveu não contar pra ela sobre o bilhete de Red John. Não queria deixa-la preocupada. Ainda mais agora, esperando um bebê. Jane agora estava preocupado em proteger não só Lisbon, mas também o bebê dos dois. A vida estava realmente te dando uma segunda chance, e ele não iria deixar escapar.


 


 

Borboletas coloridas voavam levemente pelo jardim, indo em direção à praia. De longe, Mary Sullivan observava Patrick Jane e Teresa Lisbon na praia e sorria.

Ela sabia que o bebê dos dois seria uma alma muito especial, que traria muito amor na vida deles. E faria Jane ter de volta a alegria perdida, depois da tragédia que houve com a sua esposa e filha no passado.

Era o começo de uma nova história.


FIM ; )


 


E aí, gostaram do final???


 


 


 


 


 


 


 

3 comentários:

  1. truceti bald,eu ameeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeei *-* aiiiiiiiiin Luuuuh suas fics são peeeeeeeeerfeitas *-*

    ResponderExcluir
  2. Muito lindo, demais!! *-*
    Como sera que vai se chamar o bebe heein? Haha, fica pra proxima neh Lu? Amei a fic, e aguardo outra nova ! :D

    ResponderExcluir

COMENTÁRIOS DE ANÔNIMOS E COM OFENSAS SERÃO EXCLUÍDOS DO BLOG.
DEIXE O SEU COMENTÁRIO, MAS NÃO ESQUEÇA DE SE IDENTIFICAR COM SEU NOME. MUITO OBRIGADA!